Recordar é viver...

Oi gente! Primeiramente gostaria de agradecer aqueles que colaboraram com sugestões para o blog. Vocês são demais! (Vai continuar aberto, não irei fechar se ainda quiserem estará disponível). Bom, hoje eu quero compartilhar um livro que encontrei aqui no meu quarto. Sabe aqueles dias em que você resolve fazer uma limpa, foi aí que eu encontrei este livro, dentro de uma caixa. Eu nem lembrava mais dele. Coitadinho! Primeiramente ele é antigo, antigo meeeeesmo. Tão antigo que nem achei ele no Google, acho que é alguma edição, ou brinde de alguma coisa, sei lá.

Neste livro, tem vários poemas, poesias e textos super românticos. Tem Mario Quintana, Autores desconhecidos, Arnaldo Jabor etc. Esse livrinho me lembrou muito a minha época de adolescente, sabe quando colocamos no Google, frases de amor ou algo do tipo (Sim eu era dessas de escrever e muuuito para os meus amores platônicos hahaha) e aparece textos desse tipo. É ideal para ler numa tarde, tem textos lindos,recomendo até escrevê-los para seu amor, (hello, dia dos namorados). Mas não recomendaria comprá-lo, pois hoje em dia, está disponível na internet. Como por exemplo esse texto lindo: 

Amor:

Acredite sempre no amor.
Não fomos feitos para a solidão.
Se você está sofrendo por amor, 
está com a pessoa errada ou
amando de uma forma ruim para você. Caso tenha se separado,
curta a dor, mas se abra para outro amor. 
E se estiver amando, declare o seu amor. Cada vez mais, devemos exercer o
nosso direito de buscar o que queremos (sobretudo no amor).
Mas atenção: elegância e bom senso são fundamentais.
Arrisque!
O amor não é para covardes.
Quem fica a noite em casa sozinho, só terá que decidir que pizza pedir. 
E o único risco será o de engordar, mas
lembre-se. "Curta muito a sua companhia."
Casamento dá certo 
para quem não é dependente. 
Aprenda a viver feliz - mesmo sem homem/mulher ao lado.
Se não tiver com quem ir ao cinema, 
vá com a pessoa mais fascinante:
VOCÊ!
(Autor desconhecido)

Eu li em uma sentada, recomendo para dar de presente, ou simplesmente passar o tempo, é uma leitura super leve e sempre nos faz refletir sobre o amor.


É muito fofo por dentro, as letras são diferenciadas, mas o espaçamento das folhas é bem grotesco, tem algumas poesias que começam lá no topo da folha e outras que terminam bem no finalzinho. Não tem um padrão. Se alguém tiver mais informações sobre esse livrinho, por favor deixe nos comentários.


5 comentários:

  1. Oie!
    Eu adoro livros de poemas e so de saber que tem Mario Quintana fiquei com vontade de ler.

    Beijos*

    ResponderExcluir
  2. Tão legal descobrir esses tesouros não é mesmo?
    Ei lia muito livros de mensagens e poesias quando estava no colegial, e como você adorava copiá-los, tanto pra dar para algum love do momento como para enfeitar as folhas dos cadernos.
    Muito lindo o poeminha, uma dica e tanto sobre auto estima e amor.
    Valeu\o/
    Beijão
    Viviane
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir
  3. Olá Ane , seu blog é muito bom,
    e desde já quero dar-lhe os parabéns, meu nome é:
    António Batalha, e quero deixar-lhe um convite,
    se quiser fazer parte de meus amigos virtuais no
    blog Peregrino E Servo ficarei muito radiante.
    Claro que irei retribuir seguindo também seu blog.
    Deixo-lhe a minha bênção.

    ResponderExcluir
  4. Seja um membro do ( Grupo Academia Machadense de Letras ). Publique seus poemas, contos, crônicas, livros, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo:
    https://www.facebook.com/groups/149884331847903/
    ----------------------------------------------------------------------------
    Em breve a Academia Machadense de Letras (localizada em Machado, sul de Minas) irá realizar um concurso de poesias. Convidos a todos os amigos, membros do grupo e apreciadores da cultura a participar. Assim que o regulamento for editado eu os avisarei.

    ResponderExcluir
  5. Coisas de quem escrever. Palavras de um apaixonado. Pelo o próprio Amar. E você faz-me Assim. Você fez de mim, um ser vazio, saiu e não fechou a porta do meu coração. Fez da minha dor o Silêncio. Fez das minhas palavras o veneno na forma de magia. Fez do meu dia uma noite escura. E fez da minha noite a insônia. Em algum lugar em que eu nunca estive, alegremente além de qualquer experiência, teus olhos têm o seu silêncio: no teu gesto mais frágil há coisas que me encerram, ou que eu não ouso tocar porque estão em demasia! Perto teu mais ligeiro olhar facilmente me descerra, embora eu tenha me fechado como os dedos, em algum lugar, me abres sempre pétala por pétala como a primavera abre (tocando sutilmente, as quatros estação, misteriosamente) a sua primeira rosa, ou se quiseres me ver fechado, eu e minha vida nos fecharemos, belamente, de repente, assim como o coração desta flor imagina, a neve cuidadosamente descendo em toda a parte; nada que eu possa perceber neste universo iguala, o poder de tua imensa fragilidade: cuja textura, compele-me com a cor de seus olhos continentes, restituindo a morte e o sempre cada vez que respira (não sei dizer o que há em ti que fecha, e abre; só uma parte de mim compreende que a, voz dos seus olhos é mais profunda que a voz de todas as rosas) ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas. Nem as rosas tem tua boca. E por mais que eu procure uma imagem vejo somente ti, ando e encontro-te "Uma Rosa, uma prosa" Certa vez, fiz amizade, amizade diferente dessas que dá saudade, quando se faz ausente. Encantei-me com sua prosa, tinha espinhos de ironia. Conversar com aquela rosa, passou a trazer-me alegria! Suas pétalas foram avermelhadas, era assim, quando a conheci, pétalas bem humoradas, mais vivas quando ela sorri! Mas o tempo, tudo muda, suas pétalas, agora amarelas, mas amigo, não se iluda, ficaram ainda mais belas! Admiro sua essência, rosa vermelha de outrora, obrigado por sua existência, rosa amarela de agora! Francisco. Eu serei sempre um aprendiz e foi bom conhecer sua pagina.

    ResponderExcluir